bio.png

Biodireito

1. Breve Introdução
Biodireito é o ramo do Direito Público que se associa à bioética, tem como diretriz estudar as relações jurídicas entre o direito e os avanços tecnológicos conectados à medicina (saúde) e à biotecnologia, com peculiaridades relacionadas ao corpo e à dignidade da pessoa humana.
O Biodireito deriva-se da Bioética, e ela é divida em dois campos de aplicação, sendo então:
a) situações emergentes: situação em que a sociedade tem que lidar com
conflitos resultantes da aplicação da tecnologia em saúde. Ex: fertilização in vitro;
eugenia; clonagem.
b) situações persistentes: são situações que estão juntas com a sociedade
desde os seus primórdios. Ex: aborto, direito de viver e de morrer.
A Bioética veio para traze ruma solução para estes conflitos, sendo então uma aplicação prática da Ética na Saúde.
A Bioética, através do Biodireito, busca uma harmonia moral na sociedade, visando delimitar o que é  ticamento aceito, atráves de diálogos referentes aos dilemas da Saúde, como a polêmica “barriga de aluguel” por exemplo.

O Biodireito objetiva cuidar das tecnologias ligadas a saúde, mas não visa limitar o uso desta, mas sim mostrar a necessidade de basilamento desta tecnologia, em outras palavras, busca o equilíbrio científico e concretizar normas para o avanço científico.
O Biodireito tem como alicerce principal a Declaração Universal sobre bioética e Direitos Humanos (19 de outubro de 2015), e trata-se de uma norma Supra Legal (isto é, está abaixo da Constituição, mas acima das demais leis).
O corpo desta citada Declaração, tem conteúdo principal dividido em três pontos:
a) Princípios Ligados à Pessoa Humana: ex:direitos humanos
b) Princípios Sociais ex: igualdade, justiça
c)Princípios Ambientais: ex: proteção para gerações futuras.