Entrevista sobre OS BAILES FUNK E OS PANCADÕES , para a Revista de Direito do Mackenzie 2017:
1- O baile funk é considerado uma forma de lazer entre os jovens da periferia. É possível criar um

ambiente mais seguro nessas festas para eles?
R. Os bailes funk e os chamados "pancadões" são eventos que ocorrem em regra aos finais de semana

e são formas de lazer encontradas pela juventude das periferias da cidade. Nestes eventos há música,

dança, bebidas alcóolicas (apesar da proibição para menores de dezoito anos), e muitas vezes há

também o tráfico de drogas e a prática de sexo entre os jovens. Tanto o Governador de E stado Geraldo Alckmin como o atual Prefeito de São Paulo João Doria tem tentado controlar e fiscalizar os bailes funk,

tendo inclusive o governador, em 16.02.2017, assinado um decreto regulamentando a ação da polícia na restrição ao uso de som alto em carros estacionados nas ruas, conhecida como a "Leis dos Pancadões".
Assim, boa parte da sociedade se incomoda com o som alto, a gritaria, a bagunça que os pancadões e os bailes funk trazem. Porém, este é de longe o principal problema que estes bailes acarretam. Os recorrentes relatos e matérias veiculadas na mídia deixam certo que tais bailes são hoje sinônimo de violência, tráfico

de drogas, oferta de bebidas alcoólicas para menores de idade e prática de sexo em público, já que os

jovens costumam praticar sex o durante o baile ou mesmo nas ruas, durante o show do pancadão e, na

maioria das vezes, sem qualquer método de proteção contra a gravidez ou doenças venéreas.
Porém, certo é que é possível a criação de um ambiente seguro para esses jovens, tanto do ponto de vista

da violência e do tráfico de drogas como do ponto de vista da precaução contra doenças venéreas e a gravidez não desejada.