Os pais dos menores de dezoito anos possuem o poder familiar, que nada mais é do que o conjunto de direitos e deveres atribuídos aos pais, no tocante à pessoa e aos bens dos filhos menores. Porém, muito mais do que um poder, trata -se de um dever dos pais para com os filhos, dever de educar, de supervisionar o desenvolvimento
físico, psicológico e intelectual dos filhos.

Nesse sentido, certo é que os pais devem conhecer seus filhos e suas rotinas, com o compromisso de procurar identificar quem são seus amigos e na companhia de quem estão quando saem, bem como os locais frequentados por seus filhos.Desta forma, cabe aos pais fiscalizarem se os filhos estão freqüentando bailes funk ou “pancadões”, vez que sendo menores de idade os jovens não possuem o devido discernimento para aferir os
riscos que tais festas acarretam, seja quanto à violência, ao con tato com bebidas alcoólicas e drogas e à exigência de uma maturidade sexual própria à idade adulta, inclusive a maturidade necessária para não se deixar pressionar pela coletividade ou grupo de amigos ou amigas para a prática de sexo, que nem sempre é desejado pelo (a) jovem naquele momento.
Assim, entendo que na prática poderá ocorrer a responsabilização civil dos pais, desde que preenchidos os requisitos legais de ação ou omissão voluntária dos genitores, negligência ou imprudência dos mesmos, bem como a violação de direito do filho, isto é, prejuízo ao menor, seja material ou moral.

Há, portanto, a possibilidade de responsabilidade civil dos pais do menor de idade que consentem na freqüência do jovem aos bailes funk, quando desacompanhados dos próprios pais ou quando tiverem conhecimento de que o evento não possui o devido alvará judicial, autorizando o comparecimento de menores de idade. Com essa conduta os pais colocam em risco a vida e a saúde física e psicológica / emocional de seu filho, que é criança (até 12 anos incompletos de idade) ou adolescente (de doze a dezoito anos de idade) e que não tem condições de entender os riscos acima referidos.
De outro lado, existe ainda a responsabilidade criminal dos pais, que poderá ser configurada desde que ocorra o devido enquadramento em quaisquer dos tipos penais existentes em nossa legislação pátria. Desta forma, e somente para exemplificar, o pai que entrega filho menor de dezoito anos a pessoa inidônea ou de moral duvidosa, como pessoa que sabe ser traficante de drogas e permite que o filho.