Como escolher o melhor regime de bens para o casamento

A escolha do regime de bens é decisão de suma importância para a vida do casal, pois ela é que norteará toda a vida patrimonial durante e logo após o casamento.  Por essa razão, nossa orientação é que, antes do casamento, o casal se informe com um advogado especialista sobre os regimes de bens existentes em nossa legislação, visando um bom e duradouro relacionamento e evitando-se, inclusive, brigas e conflitos patrimoniais que porventura possam surgir. 

Em síntese, o regime de bens é uma norma que regula as relações patrimoniais entre um relacionamento afetivo, considerando não só o patrimônio adquirido durante a constância da relação como aqueles trazidos antes do seu início.

Alguns dirão: “Mas eu não pretendo me divorciar... ainda assim preciso pensar em regime de bens?”, a resposta é: "Sim!”

 

Embora ainda seja um assunto tormentoso para aqueles que estão iniciando uma vida a dois, recomenda-se que o casal converse e entenda os tipos de regimes de bens previstos na lei e a forma como isso impacta na vida do casal. Você sabia que, dependendo do regime adotado, é necessária a anuência do outro para determinados atos? E que o regime de bens influenciará diretamente não só no divórcio mas também nos direitos sucessórios?

 

É válido mencionar que o regime de bens é norteado por regras gerais, dentre as quais destacamos:

  • Liberdade de Escolha: como o próprio nome sugere, os nubentes (futuros cônjuges, pessoas prestes a contraírem o matrimônio) tem, em regra, a autonomia privada e a liberdade de escolha. Ou seja, no processo de habilitação, estão livres para optar por qualquer regime previsto no Código Civil; podem, inclusive, criar um regime misto com base nos já existentes.

  • Contudo, existem exceções, como a imposição do regime de separação total de bens prevista na legislação (pessoas maiores de 70 anos, etc).

 

  • Variabilidade: O Código Civil possui diferentes tipos de regimes de bens, quais sejam, comunhão parcial de bens, comunhão universal de bens, separação de bens e participação final nos aquestos. Assim, os nubentes, de acordo com a liberdade de escolha, adotam o que mais lhes convém ou podem, também, optar por um regime misto, customizado para as necessidades e interesses específicos do casal.

 

  • Mutabilidade: Desde que haja expressa autorização judicial em pedido motivado de ambos os cônjuges, é possível a alteração do regime de bens mesmo após o casamento.

casal7.jpg